NÃO atendemos UNIMED
ou outros convênios

Notícias

Molusco Contagioso

Molusco contagioso

Na década de 70 foram desenvolvidas muitas pesquisas na área da psicologia, já que essa área estava em franca expansão. Foram feitos os mais criativos e diversos testes, desde simulações de prisões para analisar o comportamento de pessoas que adotaram o papel de presidiários e guardas, até testes com crianças, para tentar ver se já é possível na infância distinguir certas aptidões ou características de personalidade.

Um estudo que ficou muito famoso na época foi o da “perda pequena”, em tradução livre, mas que infelizmente é pouco conhecido nos dias atuais, já que com a avalanche de novas descobertas esse estudo acabou ficando restrito a livros que hoje são raros. O teste da “perda pequena” consistia em perguntar a várias pessoas, de diferentes gêneros, idades, classes sociais e raças, o que elas preferiam: uma grande perda material nesse momento, mas que elas poderiam recuperar dentro de um curto prazo, ou pequenas perdas materiais, constantes e ininterruptas ao longo da vida.

Para surpresa dos pesquisadores, as pessoas não abraçaram a chance de passar por um sufoco momentâneo, ficando depois livre dele pelo resto da vida. Elas preferiram a perda pequena, já que, conforme a maioria delas informou, “se eu estiver preparado para a perda pequena, já saberei como lidar com ela”. Ou seja: o ser humano é capaz de se adaptar tanto a situações favoráveis como desfavoráveis.

É por isso que muitas vezes as pessoas não reclamam de problemas de saúde que as afligem. Sempre que pegam uma gripe, pensam: poderia ser algo mais grave, mas que bom que é uma gripe. Ou, quando estão com uma dor frequente e vão a um médico descobrir a causa, agradecem por saber que é apenas estresse e não um problema no organismo.

A doença de que iremos falar hoje, Molusco contagioso, possui muito a ver com esse contexto. O Molusco contagioso não é uma doença fatal, muito menos uma doença grave. É uma doença que – assim como a dor de cabeça, por exemplo – incomoda. E incomoda porque ela aparece no órgão do nosso corpo que está mais exposto: a pele.

O Molusco contagioso é contagioso. Mas o nome Molusco vem das bolinhas que surgem na pele da pessoa, que crescem e ficam aparentes. Essas bolinhas surgem como pontos brancos muito pequenos, que crescem e crescem até ficar do tamanho de uma bolinha de futebol de botão.

Normalmente, depois de um período e com o tratamento certo, essas bolinhas desaparecem, mas – vale sempre lembrar – que o acompanhamento médico é essencial para casos de Molusco contagioso, já que muitas outras pessoas podem ser infectadas.

O Molusco contagioso possui essa característica, de ir se espalhando, porque é causado por um vírus. Dessa maneira, a pessoa pode ser infectada ou pelo contato direto com outra pessoa que está infectada ou pelo contato com objetos que a pessoa infectada está utilizando ou já utilizou.

Por isso, fique atento e permaneça tranquilo. Procurar um médico dermatologista é sempre a melhor alternativa em caso de suspeita de Molusco contagioso.

tratamento molusco contagioso florianópolis

Rafaela Salvato Dermatologia, Clínica de Dermatologia em Florianópolis – Molusco Contagioso