NÃO atendemos UNIMED
ou outros convênios

Dermatologia Clínica

Queloide

Quelóides são cicatrizes anômalas e exageradas que ultrapassam os limites onde foi feito o corte ou a lesão na pele. Cicatrizes hipertróficas são apenas cicatrizes aumentadas de tamanho, mas que não ultrapassam os limites da incisão.

Na prática, essas diferenças são apenas técnicas, mas para quem passa por uma cirurgia ou procedimento na pele, ambas podem ser preocupantes e exigem cuidados.

Ainda não foi descoberto exatamente o motivo que leva uma pessoa a desenvolver os quelóides, que são considerados tumorações benignas, não sendo contagiosas. Essa anomalia cutânea tem maior incidência em adolescentes, jovens adultos, mulheres em especial durante a gravidez, pessoas com afrodescendência, asiáticos e hispânicos.

Características do Queloide

Os quelóides não são contagiosos e não prejudicam a saúde, mas sua estética não é muito agradável. O primeiro sinal aparente que indica o desenvolvimento inicial do quelóide é um inchaço da região da cicatriz, mais denso e enrijecido, de cor normalmente rosa ou avermelhada. A região pode ainda apresentar os sintomas de coceira ou dor.

Causas do Queloide

Vários fatores podem desencadear uma desordem no processo de cicatrização:

– Acne
– Cortes cirúrgicos
– Queimaduras
– Pequenos arranhões
– Feridas traumáticas
– Locais de vacinação
– Brincos e piercings
– Tatuagens

Diagnóstico do Queloide

O diagnóstico é clínico, tomando base na aparência da pele e da cicatriz. Caso seja suspeita, pode ser necessária uma biópsia para descartar outras formações que ocorrem na pele, como os tumores, por exemplo.

Prevenção para Queloide

Não dá pra prever quando elas vão aparecer, mas se a pessoa fizer parte do grupo de risco, pode seguir alguns conselhos para evitar colaborar para sua formação:

– Evite a colocação de brincos, piercings e tatuagens.
– Atenção redobrada na hora de cuidar das lesões, siga as orientações do médico.
– Caso note qualquer um dos sinais ou sintomas que indique o aparecimento de uma queloide, procure o seu dermatologista o quanto antes para minimizar os sintomas.
– Mantenha a região tratada sempre limpa e protegida. As feridas são portas abertas para a entrada de impurezas e bactérias, que facilitam a inflamação e infecção do local.
– Podem ser indicadas pomadas cicatrizantes que protegem a pele e aceleram o tempo de cicatrização, reconstituindo mais rapidamente a região.

Tratamentos para Queloide

Vários tratamentos podem ser indicados para prevenção e até a suavização do quelóide já estabelecido.

Para prevenir a formação de quelóides em pacientes predispostos, pode-se fazer o tratamento de betaterapia e fazer uso de placas de silicone ou malhas de compressão sobre os cortes ou as cicatrizes, assim impedindo que elas cresçam mais do que o limite da pele.

Podem ser prescritos desde medicamentos de uso tópico a cirurgias. A associação de vários tratamentos tem surtido efeitos satisfatórios e animadores. Alguns desses procedimentos são a cirurgia, a criocirurgia, as injeções de corticoide e o tratamento a laser.

Remoção cirúrgica para Queloide

A cirurgia para remoção do quelóide sem outras associações terapêuticas não tem mostrado resultados eficazes, apresentando grande índice de retorno ou reincidência, com uma taxa entre 45 a 100%. A combinação da cirurgia com injeções de corticóide reduz a taxa de reincidência em 50%, já associado a betaterapia reduz em 10%.

Betaterapia para Queloide

A betaterapia é realizada por meio de uma placa que contém o elemento radioativo de estrôncio. A terapia consiste no contato com uma placa de metal de aproximadamente 2X1 cm sob a área em que está localizado o quelóide. Sob a placa há material radioativo que emite um tipo de radiação, de curta distância, e com uma exatidão calculada que penetra apenas na pele.

O tratamento é indolor e é recomendado tanto em cirurgias para evitar o quelóide, como também é utilizado no tratamento de quelóides já formados. Em média podem ser necessárias 5 sessões em dias alternados ou de acordo com a orientação do dermatologista.

Injeções de corticosteróides (corticóides) para Queloide

A aplicação de corticosteróides na região afetada, principalmente na fase inflamatória, na qual o quelóide ainda está se desenvolvendo, colabora para a diminuição da inflamação, o alívio dos sintomas e a redução da produção excessiva de fibras de colágeno. O intervalo entre as sessões costuma ser de quatro a seis semanas.

Congelamento (crioterapia) para Queloide

Esse tratamento tem como objetivo diminuir o relevo e melhorar a aparência do quelóide. Consiste basicamente em congelar as áreas afetadas utilizando nitrogênio líquido, como agente criogênico. O tratamento pode variar entre 20 a 30 dias e o número de sessões depende da cada caso, conforme a gravidade e a resposta individual.

Tratamentos a laser para Queloide

Existem vários tipos de lasers que atuam de maneiras distintas, cada um com um alvo diferente. A energia emitida de um laser vascular, por exemplo, inibe a coagulação da hemoglobina, vaporiza a camada superior da pele e destrói suas camadas inferiores, reduzindo assim a cicatriz e clareando o local.

A luz intensa pulsada também pode ser utilizada no tratamento de cicatrizes hipertróficas e dos quelóides, principalmente para impedir o seu crescimento, quando ainda são recentes. O laser fracionado de CO2, Erbium ou 2940nm (outro método também utilizado em alguns casos), promove um melhor nivelamento da pele e um remodelamento mais organizado das fibras de colágeno.

queloide tratamento Rafaela Salvato Dermatologia

Dra. Rafaela Salvato – Dermatologista Florianópolis – Procedimentos minimamente invasivos – Queloide